O GRUB

Em computação, GNU GRUB (ou apenas GRUB) é um multi-carregador de um sistema operacional (multi boot boot-loader) criado pelo projeto GNU. É utilizado, normalmente, quando se deseja que um computador tenha dual booting, ou seja, que o usuário possa escolher ao iniciar a máquina, um sistema operacional (SO) dentre dois ou mais sistemas instalados. Em termos técnicos ele é um programa que pode carregar qualquer arquivo (ficheiro) executável com um cabeçalho multi boot nos seus primeiros 8 kB. Este cabeçalho consiste uma sequência de bits com: 32 bits de um “número mágico”, 32 bits de flags mais 32 bits de um outro número mágico seguidos pela imagem do arquivo executável.

O GNU GRUB foi desenvolvido a partir de um pacote chamado GRand Unified Bootloader, de onde deriva o acrônimo GRUB. O sistema operacional GNU utiliza o GRUB, assim como muitas distribuições GNU/Linux.

Enquanto os “carregadores” tradicionais mantém uma tabela de blocos no disco rígido, o GRUB pode rastrear o sistema de arquivos. Na sua versão do ano 2005 ele suportava os seguintes sistemas de arquivos:

  • ext2/ext3.
  • JFS da IBM.
  • Iso9660.
  • O sistema de arquivos do MINIX.
  • NTFS.
  • ReiserFS.
  • SGI’s XFS.
  • UFS/UFS2.
  • VFAT, assim como os sistemas FAT16 e FAT32 utilizado pelo Microsoft Windows.
  • O sistema nativo VSTa.

O GRUB também suporta a instalação em disquetes.

Outros carregadores populares incluem LILO e SYSLINUX.

Atualmente em desenvolvimento, o GRUB 2 substituiu o GRUB que passou a se chamar GRUB Legacy (ou, em português, GRUB legado). O desenvolvimento do GRUB 2 pretende fundir os fontes com o projeto PUPA para criar a próxima geração do GNU GRUB.

O GRUB suporta a adição de 14 cores em substituição ao fundo de tela negro. Algumas distribuições que incluem o GRUB utilizam fundos de tela customizados. Os usuários também podem incluir as suas próprias customizações.

Deixe uma resposta